Reino do Manso

De Micropedia
Ir para navegação Ir para pesquisar
Reino do Manso
Bandeira.png Bandeira do Reino do MansoMANSO Grande Brasao.png Brasão do Reino do Manso

Lema
Per Deum et Regina
Capital Cidade do Manso
Maior Cidade Cidade do Manso
Língua Oficial Português
Religião Oficial Catolicismo Romano
Nome Curto Manso
Gentílico Manseano(a)
Tipo de Governo Monarquia constitucional parlamentar
- Primeiro-Ministro Juliana Lacerda
- Rainha Marina I do Manso
- Presidente do Parlamento Carlos Elias B. Villas Buenas
Legislatura Parlamento do Manso
- Type - Unicameral
- Number of seats - 5 (1 vago)
- Last election - Abril de 2021
Fundação 27 de outubro de 2017 (4 anos)
Área Total 9.498 km²
População 32 (censo 2021) - não foram contados cidadãos inativos e estrangeiros habituais
Moeda Pilão Manseano
Time zone BRT (UTC−3)
National sport Corrida de Capivaras
National dish Melancia de Esmeraldina
National animal Capivara
Patron saint São Francisco de Assis e São Benedito o Mouro
Queluz.jpg Membro do Grupo de Queluz
Microcon cab.png Membro da Microcon
LogoOML.png Membro da OML

Site Oficial [1]
Blog da Rainha[2]
Manso, oficialmente Reino do Manso, é uma monarquia constitucional parlamentarista sediada nos municípios de Cuiabá e Chapada dos Guimarães[1]. O principal e mais notável aspecto do país é a personificação, por seus cidadãos, de uma "arcádia" mato-grossense, destacando uma vida em meio à natureza e a simplicidade e alegria do campo. Além disso, o Manso, como projeto micronacional, é um importante vetor de divulgação da cultura local, principalmente as particularidades da vida cuiabana, e famoso por ter como símbolo nacional a capivara, animal bastante presente na região. O clima organizacional é inclusivo e amigável, tornando o reino uma das micronações mais estáveis da lusofonia, também muito reconhecida por sediar eventos micronacionais de caráter educacional.

História

Etimologia

O microestado é homônimo ao lago que banha o seu território ao norte, onde era situada a propriedade da família de Marina I e a inicial reinvindicação territorial do Manso.

História Recente

Em Breve

Governo

Selos governamentais do Reino do Manso.
O Manso adota o sistema da Monarquia Constitucional parlamentar, o Primeiro-Ministro é o Chefe de Governo e a Rainha é a Chefe de Estado.[2]

Historicamente o PNT surgiu como partido da minoria de esquerda, mas desde 2019 tem se consolidado como o maior e mais ativo partido nacional, voltando a perder a maioria do parlamento somente em 2022, mas mantendo a cúpula do governo executivo. A recente entrada de novos cidadãos no reino tem contribuído para uma oxigenação nos partidos, mas não foi o suficiente para evitar a falência do Partido Conservador (CONS)

Esse ressurgimento dos partidos de direita foi fundamental para o desenvolvimento e amadurecimento político do reino, o que tem mostrado bons frutos principalmente dentro da casa legislativa.
Partidos Políticos
Logo Partidos Ideologia Espectro Político Fundação Presidente Observação
CONS.jpeg Partido Conservador (CONS) Conservadorismo Direita Outubro de 2017 Emanuel Alves Extinto em 2022
PLD.png Partido Liberal Democrata (PLD) Liberal Democracia Direita Outubro de 2017 Henry Mompean Antigo LIBER
Pnt.png Partido Nacional Trabalhista (PNT) Nacional Trabalhismo - Progressismo Esquerda Novembro de 2017 Igor de Oliveira

Moderador

Em breve

Executivo

O Primeiro-Ministro, com o auxílio dos Ministros de Estado, exerce o Poder Executivo. Os Ministros são nomeados pelo Primeiro-Ministro, que é eleito em votação segundo o método de Condorcet. Por muito tempo o mandato teve tempo indefinido, e se encerraria com a exoneração pela Monarca, isso resultou em uma sequencia de aproximadamente 3 anos sob um único governo chefiado por Henrique Louis Mompean, o Primeiro-ministro mais longevo da história do Reino. A duração do mandato passou a ter o tempo fixo de 6 meses com uma alteração constitucional em 2022.

Cabe ainda ao Primeiro-Ministro a nomeação dos juízes do Régio Tribunal do Manso.

A cúpula do Poder Executivo é carinhosamente apelidada de "Politiburo", uma referência aos escritórios dos partidos comunistas macro, devido o atual quadro ministerial ser em maioria filiado ao Partido Nacional Trabalhista.

Legislativo

Ocupação dos assentos no Parlamento (VIII Legislatura)
Partidos Cadeiras
PNT
  
3
PLD
  
2
O Parlamento do Manso é formado após uma eleição a cada 4 (quatro) meses, coordenada pelo Presidente do Régio Tribunal do Manso. Propõe, delibera e vota projetos de leis que serão sancionados pela Rainha. Atualmente, o Parlamento conta com 5 cadeiras, a serem ocupadas pelo sistema de voto de aprovação proporcional.


Apesar de ter sido historicamente uma dificuldade para o reino manter um parlamento ativo, a V legislatura demonstrou uma produtividade impar e colocou em andamento uma agenda de tarefas que tinha se acumulado por aproximadamente um ano, o que foi um divisor de águas na atividade legislativa do Reino, sendo seguido por extrema presteza na legislatura seguinte, onde de fato foi possível estruturar bases legais para diversos assuntos. O Reino ainda carece de muita regulações e debates, que devem ser realizados nas legislaturas futuras.

Judiciário

O Poder Judiciário é exercido pelo Régio Tribunal do Manso, órgão constituído por um juiz presidente e outros dois juízes colegiados, sendo vedada a afiliação a partidos políticos.


Devido as características da sociedade manseana, é raro que os juízes tenham ocupação com infrações e atentados contra a Constituição, sendo as atividades que mais exercem conduzir as eleições nacionais e consultas públicas, na forma de referendos e plebiscitos. Porem, a VI Legislatura do Parlamento iniciou dois processos de CPI, que podem se converter nos primeiros processos julgados pela corte.

Geografia

Atual mapa político-administrativo do Reino do Manso.
O Reino reclama para si o território macro condizente aos municípios de Cuiabá e de Chapada dos Guimarães, no Mato Grosso. Suas divisões internas usam como base a malha de setores censitários do IBGE de 2019[3].

Sem pretensões expansionistas, o reino segue um crescimento natural e espontâneo de seu território, geralmente essas reclamações de novas terras são precedidas de eventos políticos marcantes, como por exemplo o Conflito RUPA x Micronações Sulamericanas, que resultou expansão do Manso para o território atual. Existem movimentos internos que realizam uma pressão constante para anexação de mais territórios, movimentos esses que não encontram respaldo no gabinete real e divide opiniões dentro da cúpula do governo.

As modestas pretensões territoriais manseanas, em contraste com micronações próximas que chegam a ocupar estados e até países macro inteiros, o transformam em uma espécie de enclave, não fazendo divisa direta com nenhuma outra micronação conhecida e sendo cercado por terra nullius.

Divisões Territoriais

A divisão do reino ocorre de forma majoritária em distritos e ducados, atreladas às essas divisões maiores ocorrem as unidades territoriais menores, as marcas, condados, viscondados e baronias. Todas as divisões territoriais, trazem consigo um título de nobreza associado, porém esses nobres não atuam na administração sobre seus domínios.
Divisões Administrativas do Reino do Manso
Bandeira Escudo de Armas Nome Código UTMA Habitantes Nobre Suserano UTMI Vassalas
Distrtito Real.jpeg Noflag.png Distrito Real 01 09 Monarca do Reino Marca de Campos Áureos • Condado de Jardins da Coroa  • Viscondado de Midigardia
Planície das Capivaras.jpeg Noflag.png Ducado de Chapada das Capivaras 02 08 Miguel do Manso Marca de Guarás  • Marca de Nova Arcádia  • Condado de Gaviânia
Esmeraldina.jpeg Noflag.png Ducado de Esmeraldina 03 03 Igor Barros Marca de Pouso Verde  • Condado de Ipê Velho
Porto Liberdade.jpeg Noflag.png Ducado de Porto Liberdade 04 04 Henrique Louis Mompean Marca de Águas Rasas
Sant'Ana.jpeg Noflag.png Ducado de Sant'Ana 05 08 S.A.R. Adriano Marca de Conquista do Oeste  • Condado de Fonte dos Anjos  • Baronia de São José  • Baronia de Vitória

Economia

Cédulas de Pilão Manseano família A.
A economia interna do reino é tímida, e carece de uma melhor dinâmica de oferta e demanda. A principal fonte de renda ainda é o serviço público, sendo possível também conseguir dinheiro através de atividades no fórum. Atualmente estão sendo negociados tratados para melhorar a interação de uma economia intermicronacional com nações membros do Grupo de Queluz, visando facilitar a conversão entre moedas e possibilitar operações de empresas em todos os Estados membros.

Filatelia e Numismática

Moedas comemorativas de aniversário.
A unidade monetária de circulação do Manso é o Pilão Manseano, as primeiras cédulas foram produzidas no ano de 2019 e fazem homenagem aos Distritos Originais do Reino, além de veicularem pequenas informações a respeito dos mesmos. São características da primeira família a verticalidade e o esquema de cores. As moedas trazem adornos em alusão à flor do ipê e o reverso das moedas carrega homenagens diversas à fauna, flora e aspectos políticos do Manso. Foram ainda lançadas moedas comemorativas por ocasião do segundo aniversário do reino, destinadas exclusivamente ao hobby de coleção, e carregam homenagens às micronações com as quais o Manso mantinha contatos diplomáticos profundos.

Cultura

Por ter se originado como uma nação derivatista, o Manso não atribuiu para si uma cultura fictícia ou importada de outra nação existente no macro. Toda a sua expressão e desenvolvimento cultural acontecem de forma natural, graças à atividade e interação cotidiana de seus cidadãos.
Datas Comemorativas
Data Nome Observação
24 de Janeiro Dia da Constituição [3] Feriado nacional em comemoração a promulgação da primeira constituição do Reino do Manso.
26 de fevereiro Dia Nacional das Relações Exteriores [4] Data comemorativa em memória da abertura do Reino do Manso para o Micromundo.
4º dia da 3ª semana de maio Dia da Permissão Dia quando a monarca recebe a população no palácio, a conceder pedidos.
02 de julho Dia da Libertação de Sotóvia [5] Feriado em memoria da campanha militar contra o regime autoritário do Principado de Sotóvia
17 de julho Dia do Natalício Real [6] Aniversário de Sua Majestade
11 de setembro Dia da Preservação do Cerrado [7] Data comemorativa em celebração aos cuidados com o bioma que envolve o Reino do Manso.
04 e 05 de outubro Dia dos Padroeiros [8] Feriados dos padroeiros do Reino Manso, os santos São Francisco de Assis e São Benedito Mouro.
27 de outubro Fundação do Reino do Manso
25 de dezembro Natal Celebração tradicional de Natal

Vexilologia

Bandeira de Guerra (e antiga flâmula das Forças Armadas do Reino do Manso).
O Manso conta com a peculiaridade de possuir oficialmente duas bandeiras nacionais. A primeira, uma flor de ipê amarela com fundo azul e bordura amarela, é a tradicional e usada em tempos de paz. Já em tempos de guerra, utiliza-se a outra bandeira, mantendo o fundo azul, mas agora a trazer a Cruz da Ordem de Cristo em amarelo com braços alargados e ostentando a flor de ipê no centro sobre um círculo. A bandeira de guerra era também a flâmula das Forças Armadas do Reino do Manso, antes da extinção das Forças que aconteceu na reestruturação do Governo em 2021.

Heráldica

A heráldica é regulada pela Portaria Ministerial da Cultura e Tecnologia n° 01, de 29 de janeiro de 2021[9], em associação ao Livro de Ouro do Reino do Manso. A Lei Complementar n° 02, de 15 de fevereiro de 2021[10] regulariza o posto de Oficial de Armas. Atualmente, o Ateliê Flamengo é a única empresa que dispõe de autorização para prestar serviços heráldicos. Todos os brasões são registrados no cartório nacional, e todos tem direito de ter um.

Museu Nacional

O Museu Nacional do Manso funciona dentro do fórum do reino, sendo sua organização subordinada ao Ministério da Educação, e cumpre com a finalidade de colecionar, conservar e apresentar para estudo, educação, contemplação e recreação, pinturas, fotografias e documentos de significação histórica e cultural. O Museu inaugurou com uma exposição permanente das telas de Felipe Bandeira, Primeiro-Ministro e jurista no período inicial do Reino do Manso, afiliado ao Partido Conservador, e artista plástico por hobby, no dia 19 de abril de 2019.

Esportes

Acreditando sempre nos benefícios trazidos por competições saudáveis, o Reino do Manso conta com três modalidades esportivas sendo praticadas em seu território. A principal, e mais popular no micromundo, é o futebol micronacional, sendo disputada a Real Liga Bandeirantes[11], uma liga conjunta de micronações do Grupo de Queluz. A seleção manseana chegou até as finais da Copa América 2020, sendo essa a sua primeira participação na competição.

É disputado ainda, também em conjunto com outros membro de Queluz, o Campeonato Cruzeiro do Sul de Formula 1. Além do esporte nacional, uma criação própria do reino, a Corrida de Capivaras, que funcionava como uma espécie de bingo animado. A modalidade originou-se de uma piada em matéria da imprensa nacional que acabou caindo no gosto do público, e hoje conta com um aplicativo em versão beta que promete revitalizar o esporte tão particular do Reino.

Existe ainda a tentativa de se implantar um torneio de xadrez, mas que caminha a passos lentos.

Religião

Oficialmente um Estado laico, a Constituição do Reino do Manso garante a liberdade de culto, estando atualmente organizadas nos limites do ducado de Sant'Ana duas instituições religiosas de matriz católica, a Diocese do Manso (ICM) e a Paróquia de Sant'Ana (CEMIC), além de duas de matriz protestante, a Comunidade Cristã Micronacional (CCM) e e a Igreja Evangélica Unida (IEU), ambas as entidades com sede no ducado de Porto Liberdade. A IEU é derivada da unificação da Igreja Luterana Micronacional e a Comunidade Cristã Reformada Micronacional, em junho de 2022. Demais religiões são praticadas em âmbito doméstico, sem constituírem organizações.

Cidadãos Notáveis

Realeza
Nobres
  • Henrique "Poste", Duque de Porto Liberdade, o Primeiro-Ministro com mandato mais longevo do Reino (4º a assumir o cargo).
  • Juliana Lacerda, Marquesa de Guarás, 5a Primeira-Ministra e Presidenta da V Legislatura do Parlamento do Manso.
  • Milton Costa, Marquês de Nova Arcádia, Ex-ministro da Cultura, Ex-Parlamentar e Magistrado do Régio Tribunal.
  • Henry Mompean, Conde de Fonte dos Anjos, Presidente das Legislatura VI, VII e VIII do Parlamento do Manso.
  • Gustavo Canisio Almeida-Kunkel, Conde de Jardins da Coroa, Presidente da II e da III Legislatura do Parlamento do Manso.
  • Rogério Bueno Toniato, Conde de Ipê Velho, 2º Presidente do Régio Tribunal.
Plebeus
  • Felipe Bandeira, 1º Primeiro Ministro do Reino.

Referências