Libertação de Sotóvia

De Micropedia
Ir para navegação Ir para pesquisar
Libertação de Sotóvia
Conflito: Libertação de Sotóvia
Data: 02 de julho de 2019
Local: Principado de Sotóvia
Fim: Libertação dos cidadãos sotovianos.
Micronações
New Sotovia's flag.jpg
Principado de Sotóvia
Bandeira.png
Reino do Manso
Lideranças
* New Sotovia's flag.jpg M. Soto * Bandeira.png Marina I
O Principado de Sotóvia foi acusado de manter um regime autoritário, cujas ações alienavam seus habitantes da existência de outras micronações e mesmo de comunidades praticantes do hobby, visando manter o controle e evitar a emigração. Além disso, foi descoberta uma campanha difamatória que tinham por alvos o Reino do Manso e a pessoa da rainha. Em uma rápida ação que ficou conhecida por Libertação de Sotóvia, no dia 2 de julho de 2019, organizada pela monarca Marina I e pelo agente especial Igor de Oliveira, um contingente adentrou os meios de comunicação de Sotóvia e direcionou os cidadãos do principado para um canal onde recebiam informações regulares do micromundo, também eram motivados a interagirem e a explorarem projetos diversos.

Antecedentes

O príncipe Soto realizou uma visita ao Manso, em 27 de novembro de 2018, quando demonstrou belicosidade ao ameaçar de invasão os canais do reino e bravando que ali se praticava um "micronacionalismo arcaico". Em resposta, foi organizada a Campanha Militar em Sotóvia, e tendas foram erguidas pelo Ministério de Estado da Defesa recolhendo "chinelos, sapatos, botas e coturnos - de todos os tamanhos - para serem usados como munição", ironizando a reinvidicação dos sapatos do estadista por território.

Consequências

O conflito findou com um acordo entre os governantes e resultou numa migração considerável para o Manso, que ofereceu cidadania a todos os interessados, embora muitos não tenham permanecido no reino, seguindo outros caminhos dentro do micromundo. Em parabenização, Marina foi criada Duquesa de Brenta em Karnia-Ruthenia, título posteriormente devoluto. Soto elaborou projetos micronacionais paralelos, não sendo visto desde 2020.